Alimentação orgânica e risco de câncer

Pesticidas são amplamente utilizados na agricultura para aumentar a produtividade. Algumas dessas substâncias, como o malathion, são cancerígenas.

Estudos franceses demonstraram que 44% dos alimentos não orgânicos e 6,5% dos orgânicos continham resíduos de pesticidas. Um estudo acompanhou 68000 participantes adultos, tendo como parâmetros o consumo de alimentos orgânicos e o aparecimento de tumores malignos. O consumo dos 16 alimentos foi aferido através de questionários, considerando o consumo como infrequente, frequente e constante, utilizando-se um escore de pontos. Ao término do estudo, observou-se que houve uma redução no risco de aparecimento de tumor de mama após a menopausa, linfoma não Hodgkin e outros linfomas nos indivíduos com alto consumo destes alimentos. Se estes resultados forem confirmados por outros estudos, seria um alerta para possíveis modificações alimentares na prevenção de alguns tipos de tumores.

Contudo, os autores salientam que esses resultados ainda não podem ser generalizados por uma série de razões, tais como ter mais mulheres com hábitos saudáveis, período de observação não muito longo, entre outros fatores de confundimento.

Referência bibliográfica:
Baudry J, Assmann KE, Touvier M, et al. Association of Frequency of Organic Food Consumption With Cancer RiskFindings From the NutriNet-Santé Prospective Cohort Study. JAMA Intern Med. Published online October 22, 2018. doi:10.1001/jamainternmed.2018.4357