O controle intensivo da hipertensão arterial reduz o risco de demência?

O estudo SPRINT acompanhou cerca de 9000 pacientes acima de 50 anos para averiguar se um controle intensivo da pressão arterial (atingir pressão arterial sistólica [PAS] abaixo de 120 mmHg) apresentaria benefícios ao tratamento tradicional (manter PAS abaixo de 140 mmHg). Efeitos secundários deste estudo foram observar se o tratamento intensivo reduziria o aparecimento de demência.

Quando comparado ao tratamento tradicional, o controle mais rigoroso da PAS não reduziu, significativamente, a ocorrência de demência. Porém, resultou em redução do surgimento de declínio cognitivo leve e do conjunto declínio cognitivo/demência. Ressalta-se que este estudo pode não ter identificado corretamente o surgimento de demência pelo reduzido tempo de acompanhamento e do número de indivíduos estudados.

Dessa forma, parece que o controle intensivo da PAS pode ser benéfico para evitar o declínio cognitivo e, eventualmente, modificar os parâmetros de controle mais amplamente utilizados. Em relação à prevenção da demência, novos estudos com maior duração de acompanhamento e do número de indivíduos são necessários para avaliar sua eficácia.

Referência bibliográfica:
1-Effect of Intensive vs Standard Blood Pressure Control on Probable Dementia
A Randomized Clinical TrialJAMA. Published online January 28, 2019. doi:10.1001/jama.2018.21442